Digite abaixo o que procura:

Indústria da moda: é melhor confeccionar ou revender?

Indústria da moda: é melhor confeccionar ou revender?

A venda direta de roupas e coleções é uma das atuações mais viáveis para os profissionais ou aspirantes da moda. Com as novas tecnologias, uma forma prática e lucrativa de vender roupas é através de e-commerces. Porém, primeiramente é preciso saber atuar. Fornecer peças exclusivas e de qualidade é o grande desafio para quem está empreendendo nesse segmento.  

Existem duas formas de vender roupas: revendendo ou confeccionando. A primeira é feita através da aquisição de peças que já vem de fábricas consolidadas. A segunda é criar a sua própria marca. Entretanto, qual das duas alternativas é a mais vantajosa? Descubra!  

Entenda o mercado da moda!

A moda é uma indústria muito diversificada. Por isso, a área acaba se tornando muito ampla para quem quer empreender. Com tantos tipos de confecções e modelos de venda é importante definir, desde o ínicio, um perfil e uma clientela.   

Fazer uma análise de modelos de negócio é o primeiro passo para quem deseja ingressar na venda de roupas. Quem vai empreender precisa se questionar quanto pretende investir, seja em dinheiro ou tempo. Depois, é preciso definir o nicho da moda que deseja aderir:  

  • Masculino; 
  • Feminino;
  • Infantil;  
  • Sustentável;  
  • Evangélico; 
  • Praia e banho;  
  • Etc.  

Indústria da moda: revenda ou confecção própria?

Não existe opção correta, até porque as duas oferecem renda variável. Assim, é possível ter sucesso em ambos os modelos desde que haja profissionalismo e alinhamento ao perfil do empreendedor. Antes de empreender é preciso levar em consideração:  

  • Anseios;  
  • Área de atuação; 
  • Necessidades; 
  • Objetivos;
  • Público-alvo;
  • Recursos financeiros.

Confecção própria

Originalidade, criatividade e autonomia são os principais pontos positivos da confecção própria. Fora isso, o empreendedor pode ser seu próprio patrão. Entretanto, qual é o preço e trabalho disso tudo?   

Pontos positivos

  • Controle da criatividade  Com uma marca própria é possível definir cores, estampas e modelos sem interferência de outras pessoas.  
  • Novidade no mercado – A autonomia em criar pode destacar o profissional no mercado da moda. Se ele souber, suas peças podem ser uma novidade no segmento.  
  • Ser seu próprio fornecedor – Não depender de terceiros agiliza os processos de confecção e garante que os clientes não percam o acesso a algum produto predileto.  
  • Maior margem de lucro – É possível lucrar mais com esse modelo e ainda optar trabalhar com atacados e revenda para outros fornecedores.  

Pontos negativos  

  • Investimento inicial – Criar uma marca exige mais recursos financeiros em curto prazo.  
  • Consolidação  Investir em marketing e branding da marca é fundamental para que ela tenha credibilidade.  
  • Acúmulo de funções – Inicialmente, o empreendedor deverá realizar a criação, produção e venda do produto.  
  • Investir em uma equipe – Depois, será necessário contratar uma equipe de desenvolvimento das confecções.  

Revenda de roupa

Esse é um modelo muito adotado por muitas pessoas, mas também não muito inovador. Antes de tudo, é preciso certificar-se que a roupa revendida provém de um bom fornecedor.  

Pontos positivos

  • Marcas conhecidas – O trabalho com marketing e fidelização do cliente é menor.  
  • Marketing assertivo – Assim, o processo de venda e divulgação fica mais fácil.  
  • Retorno imediato – O investimento inicial com a peça é revertido assim que ela é vendida.  
  • Produto já finalizado Não é necessário investir em equipes de criação.   
  • Dinamismo – É possível escolher entre fornecedores nacionais e internacionais desde que a qualidade, preço e prazo de entrega compensem.  

Pontos negativos

  • Falta de autonomia – Não é possível criar peças originais nem escolher o que seus clientes irão consumir.  
  • Peças fora de estoque – Oportunidades podem ser perdidas se a marca resolver suspender a venda de uma peça muito comercializada.
  • Margem de lucro menor – Como o empreendedor é um intermediário de venda, a monetização é inferior.  

Profissionalize sua marca!

Independente da opção escolhida, a atuação no mercado deve ser profissional. Investir e conferir em etiquetas garantem a profissionalização do seu trabalho. Para mais personalização, aposte em etiquetas bordadas. Consulte já a Sansil e conheça as principais opções de etiquetas para sua confecção!   

Comente esse post